Quinta-feira
24 de Junho de 2021 - 
Experiência, Honestidade e Compromisso a seu Serviço!

Controle de Processos

Aqui você acompanha seu processo, através da senha criada no escritório!

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,02 5,02
EURO 5,97 5,98

Newsletter

Call Center

Sede Silvânia - GO

Rua Antônio Leão Neto 40 
Centro
CEP: 75180-000
Silvânia / GO
+55 (62) 3332-2030+55 (62) 3332-1572

Sede Palmas - TO

Av. Teotonio Segurado, Ed. Amazônia Center s/n Sala 902, Em Frente ao Fórum de Palmas
Plano Diretor Sul
CEP: 77016-002
Palmas / TO
+55 (63) 3322-7278

Sede Goiânia - GO

Rua 136 761 Qd. F-44, Lt. 2-E, Ed. Nasa Business Style, 11º Andar, Parte D-32
Setor Sul
CEP: 74093-250
Goiânia / GO
+55 (62) 3602-0757

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Home

Equidade entre homens e mulheres: TJGO passa a adotar linguagem inclusiva de gênero em textos e comunicados

O Brasil possui mais de 213 milhões de habitantes, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Desse total, a maior parte é formada por mulheres, que representam 51% da população. Se o público feminino é maioria, por que, usualmente, quando pretende-se generalizar, refere-se ao todo como, apenas, “os brasileiros”, no gênero masculino? As normas da língua culta portuguesa indicam: para mencionar o todo, mesmo que haja apenas um homem entre milhares de mulheres, o gênero base é o masculino. No entanto, a linguagem acompanha as revoluções sociais e a busca por uma sociedade mais igualitária e inclusiva perpassa, também, pela forma como se escreve e se fala. A fim de incentivar a discussão sobre a participação feminina e questionar as estruturas linguísticas que colocam, sempre, o masculino como principal, o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) adota uma ação, até então, inédita para o Poder Judiciário goiano. Em despacho assinado pelo presidente, desembargador Carlos Alberto França, solicita-se a todos os órgãos, departamentos e unidades que façam o uso igualitário de gênero. A partir de agora, documentos internos, externos, despachos e comunicados devem observar as flexões femininas e masculinas, conforme sugere o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “A iniciativa, notadamente, visa às ações de incentivo à igualdade de gênero no ambiente institucional. É importante que um órgão público esteja atento às transformações sociais e busque, sempre, o respeito aos direitos humanos”, destacou o chefe do Poder Judiciário goiano. A ideia da linguagem inclusiva de gênero é desconstruir o masculino como universal e, assim, questionar o uso dos termos masculino e feminino na expressão oral e escrita, que contribui para reforçar as relações assimétricas entre os sexos. Especialistas em língua portuguesa defendem que a linguagem diz muito mais do a aparente superfície das palavras: adjetivos e substantivos podem construir relações, criar consciência, moldar estruturas ideológicas e o imaginário popular, reforçando ou combatendo estereótipos. Segundo a doutoranda em Letras Maria Clara Dunck, fundadora do Leia Mulheres Goiânia, clube do livro que discute obras exclusivamente escritas por mulheres, refletir sobre a linguagem é necessário para acompanhar as transformações. “A língua é viva. Se antes não fazíamos questão de incluir o feminino nos plurais é porque não incluímos as mulheres em muitos espaços também. Quando essa estrutura começa a mudar, as/os falantes também sentem a necessidade dessa adaptação. Mesmo que tentemos barrar essa mudança na língua, naturalmente ela vai acontecer. A questão é, vamos lutar contra isso ou colaborar para a inclusão?”. Formas Engana-se quem pensa que, a partir de agora, os discursos vão se reduzir a formatos fixos, como, por exemplo, magistrados e magistradas, servidores e servidoras. A equidade de gênero abre espaço para visões e formatos amplos: em de vez de dizermos ou escrevermos “os goianos têm acesso à educação”, pode-se afirmar, com o mesmo sentido, “o acesso à educação em Goiás é bom”. É possível, ainda, utilizar uma classe, entidade ou categoria como sinônimo: substituir “os servidores vão passar por curso de capacitação” por “o funcionalismo vai passar por curso” ou ainda “o convite estende-se aos juízes” por “o convite é para a magistratura”. As possibilidades são variadas, uma vez que a língua portuguesa permite vários exercícios de imaginação. Nos casos em que a repetição dos termos for inevitável – goianos e goianas, diretores e diretoras etc – a linguista Maria Clara tranquiliza. “Repetição não é erro. É recurso de linguagem. Precisamos ter em mente, sempre, que a língua é social, de modo que ela varia de acordo com o tempo histórico. Cada época faz a sua. E somos seres sociais também. O que vale é se somos capazes de nos entender e dialogar. E nada mais potente que enxergar a todas e todos no que comunicamos”.   Português, latim e outros idiomas O português, assim como o espanhol e outros idiomas provenientes do latim, possui fortes marcadores de gênero - as formas de algumas palavras mudam de acordo com o gênero em questão. Isso acontece com os substantivos, adjetivos, artigos e pronomes: falamos meninas e meninos, bonitas e bonitos, eles e elas, entre vários exemplos. Assim, temos palavras consideradas masculinas e femininas, no entanto, quando queremos exprimir forma genérica ou no plural, o usual era utilizar o gênero masculino para representar o todo – formato que vem sendo questionado com mais ênfase a cada ano. Em países de língua espanhola, como Argentina e Espanha, o movimento da linguagem inclusiva ganha, igualmente, força ao questionar o uso das antigas regras gramaticais.  Outras línguas possuem regras distintas nesse aspecto. Alguns idiomas não apresentam gênero, como o turco e o finlandês, já que não usam marcadores de gênero nem em seus substantivos, nem em seus pronomes pessoais. Já o inglês é considerado um dos idiomas de gênero neutro, já que quase não possui marcadores: seus substantivos, artigos, adjetivos e pronomes no geral são palavras únicas que representam a todos; somente seus pronomes pessoais se regem pelo gênero.Em consonância com as demandas sociais por mais equidade, a Academia Sueca, em 2015, adotou o gênero neutro “hen” ao seu idioma para identificar as pessoas não binárias, incluído nos dicionários oficiais do País. A justificativa foi, justamente, que o uso da palavra e sua evolução na sociedade por muitos anos demonstrava que o termo cumpre uma função e que, por isso, deveria ser adicionada, oficialmente, à norma da língua.  (Texto: Lilian Cury / Arte: Wendel Reis- Centro de Comunicação Social do TJGO)
10/06/2021 (00:00)
Visitas no site:  312743
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.